-A A +A
Campus de Maruipe, Vitória - ES

Epidemiologia molecular e caracterização da resistência de amostras de Acinetobacter baumannii e Pseudomonas aeruginosa resistentes aos carbapenêmicos provenientes de hospitais da Grande Vitória-ES.

Nome: Thalita Pereira Cabral Vallorini
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 30/08/2017
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Ricardo Pinto Schuenck Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Ricardo Pinto Schuenck Orientador

Resumo: Staphylococcus aureus é uma bactéria Gram-positiva, responsável por colonizar assintomaticamente pele, narinas e trato gastrointestinal de humanos. No entanto essa bactéria também é responsável por uma série de infecções graves, tais como a pneumonia, meningite, endocardite, osteomielite e outras. A importância clínica de S. aureus é atribuída a sua alta virulência e rápido desenvolvimento de resistência aos medicamentos utilizados para o seu controle. Devido a essas características e também a sua ampla distribuição, S. aureus é considerado o principal agente causal das infecções nosocomiais no mundo inteiro. Os isolados clínicos de S. aureus podem apresentar perfis diferenciados de genes de virulência, esse fato pode estar relacionado com a capacidade dessa bactéria de infectar diferentes partes do corpo humano. Sendo assim, este projeto tem como objetivo investigar a relação das diferenças genotípicas com a virulência de 11 isolados clínicos de S. aureus, além de caracterizar a resposta imunológica gerada pela infecção causada pelos mesmos. Para isso,características importantes para a virulência dessa bactéria, como a capacidade de aderência e internalização de células epiteliais serão analisadas in vitro. Ensaios de virulência com o modelo Galleria mellonella será realizado. O modelo também será utilizado para monitorar o crescimento microbiano durante a infecção e avaliar a influência de tratamentos antimicrobianos sobre o crescimento e virulência desses isolados. A resposta imunológica frente à infecção causada por S. aureus será analisada com a avaliação da fagocitose das células bacterianas e também com a produção de citocinas por células mononucleares do sangue periférico humano (MSPH). As diferenças genotípicas existentes entre os isolados podem refletir variações na virulência de S. aureus, e a compreensão das interações entre patógeno e hospedeiro, principalmente aquelas relacionadas com a transmissão, colonização e evasão, são essenciais para expor novas possibilidades de controle do patógeno, tais como o desenvolvimento de vacinas e testes clínicos.

Transparência Pública
Acesso à informação

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Maruípe, Vitória - ES | CEP 29043-900